Contador grátis

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Na aula de Telejornalismo uma produtora de uma rede de televisão veio falar do cotidiano profissional

Em uma das aulas na Uni Sant’ Anna, contamos com a presença de uma produtora que trabalha na Rede Record de Televisão. Ela comentou sobre as dificuldades do dia a dia na edição. Segundo ela, os algozes do jornalismo são o calendário e o relógio.
Um dos processos necessários na edição de telejornalismo é a decupagem. Por falta de tempo ela decupa acelerando as imagens. Algumas vezes para usar três minutos de material pode ter que verificar doze fitas diferentes. Outras vezes o repórter diz que tem uma fala importante e ela tem que correr com a fita para descobrir em qual time code (TC) está essa declaração.
Sobre o processo de nota coberta, ela informou que como produtora faz busca de imagens de arquivo, escreve o texto, que deve ser aprovado pelo editor chefe. Esse mostra para o editor executivo e o texto é lido ao vivo pelo apresentador durante o telejornal. Há um sistema que mede a lauda e calcula o tempo. Esse tempo de leitura pode ser diferente de um repórter para outro. Se der um BLACK no ar é problema para o apresentador. Se der um buraco de três segundos ele deve ser preenchido.
A matéria é feita a quatro mãos. O processo de edição do repórter é acompanhado pelo editor que tem autonomia e deve ter argumentos sólidos se pretender dissuadir a opinião do chefe. Deve ver o material exaustivamente para ter certeza do que fala com o editor chefe. Passagem, matéria, link tudo é combinado antes. Para ter link ao vivo o assunto deve ser muito forte.
A ilha de edição é usada para uma matéria por vez. Segundo a produtora os OFFs de outros estados são todos aprovados por São Paulo. Para o trabalho fluir bem é bom que exista afinidade entre os editores de texto e imagem.
A produtora usou alguns exemplos em vídeo para explicar o processo de edição. Em um desses vídeos, o repórter saiu de bicicleta pelas ruas alagadas após as chuvas no Rio de Janeiro. Ele estava com duas câmeras, uma delas no capacete. Ele pediu que o motolink levasse para ele as câmeras que foram emprestadas por um cinegrafista amador. A reportagem foi editada no Rio de Janeiro após as 16 horas. Os VTs são gerados por satélite, a Rede Record possui um canal de satélite próprio enquanto a Rede Globo possui sete canais. A escalada é gravada uma hora antes, e é responsabilidade de um dos editores.
Ela conta que em seus dezoito anos de profissão já trabalhou com rádio, televisão, já fez curso no exterior. A televisão a linguagem deve ser clara, curta, objetiva e didática. Ela diz que sempre gostou de estar atrás das câmeras, gosta fazer acontecer e participar disso. É bom lembrar que você lida com pessoas. Um bom relacionamento facilita o dia a dia. Nós sempre devemos tentar parcerias com editores de imagem e técnicos, áudio e GC- gerador de caracteres.
Entre suas experiências, três anos e meio de trabalho com Paulo Henrique Amorim. Ela disse que ao ficar nervoso ele tirava o paletó e atribuiu a ele duas frases de coisas que ela aprendeu sobre a importância das imagens e como o tempo é curto para as notícias: “Se estamos falando de um cachorro temos que mostrá-lo”, e “Sonora acima de 16 segundos só se for do Papa”.
Sobre a cobertura do julgamento do casal Nardoni no Caso Isabela, a produtora falou da dificuldade de uma cobertura de uma semana, como falar todo dia sobre o mesmo assunto sem ser repetitivo? Como oferecer diferenciais para o jornal que entraria no ar? Ela assistia e fazia decupagem na própria câmera localizando o TC time code de determinadas cenas que ela considerava que mereciam destaque. Ela mandava para pelo motoqueiro o material pré-editado, escrevia texto na lauda do jornal.
Ainda sobre o caso Nardoni o programa matinal “Hoje em dia” teve um recorde na audiência no sábado, após o último dia de uma semana de julgamento e o veredicto da condenação do casal Nardoni. O programa levou psicólogo e terapeuta da família Nardoni. A Rede Globo tentou interceptar esses profissionais. O terapeuta apesar da dificuldade conseguiu convencer Ana Carolina Oliveira, mãe de Isabela, a falar no ar. Quatro carros da Rede Globo ficaram aguardando na porta da Record.
Questionada sobre o melhor caminho para entrar na redação. A produtora da Record diz que temos que tentar de tudo, porque coisas acontecem o tempo todo. Insistir, ver se quero seguir adiante? Até que ponto? Tentar uma ou dez vezes.
Sobre a Rede Record ela afirma que o canal teve uma subida vertiginosa de ibope, estacionou durante um tempo e atualmente está em queda. Sobre os profissionais da rede ela diz que os que vieram da Rede Globo ganham mais. Alguns ganham merchandising como Brito Junior. Ana Paula Padrão saiu do SBT e entrou na Record com um salário menor que o anterior.
Na comparação da Rede Record com outros canais ela diz que planejamento é tudo. A Rege Globo planeja três anos antes a transferência de um correspondente internacional. A Globo não cobre um assunto o dia inteiro. Ela não vai tirar um programa como a Malhação do ar para por outra coisa. Na Record a cobertura do acidente na obra da linha amarela do Metrô em 2007 durou doze horas seguidas no ar. Ela diz que jornalista não recebe hora extra e negocia folgas. Mas quando acontece algo você quer participar, não quer ficar de fora da cobertura dos acidentes. No acidente que o avião da TAM caiu no prédio da TAM Express em Congonhas, também em 2007, ela virou a noite no estúdio.
Questiona sobre a relação entre repórteres e editores. A produtora exemplificou que o jornalista Dorneles tem um texto ótimo e mesmo assim ele pergunta o que os editores pensam sobre o texto. Porém ele não é muito bom para link ao vivo. Dornelles é repórter especial, tem uma vasta experiência que faz com que suas sugestões sejam sempre avaliadas. Para ela, a diferença é o conteúdo dos repórteres mais experientes e menos experientes. “Chefe só escolhe quem tem potencial de dar conta do recado”, finaliza a produtora.

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget

Which Grey's Anatomy Character Are You?