Contador grátis

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Na aula de Telejornalismo uma produtora de uma rede de televisão veio falar do cotidiano profissional

Em uma das aulas na Uni Sant’ Anna, contamos com a presença de uma produtora que trabalha na Rede Record de Televisão. Ela comentou sobre as dificuldades do dia a dia na edição. Segundo ela, os algozes do jornalismo são o calendário e o relógio.
Um dos processos necessários na edição de telejornalismo é a decupagem. Por falta de tempo ela decupa acelerando as imagens. Algumas vezes para usar três minutos de material pode ter que verificar doze fitas diferentes. Outras vezes o repórter diz que tem uma fala importante e ela tem que correr com a fita para descobrir em qual time code (TC) está essa declaração.
Sobre o processo de nota coberta, ela informou que como produtora faz busca de imagens de arquivo, escreve o texto, que deve ser aprovado pelo editor chefe. Esse mostra para o editor executivo e o texto é lido ao vivo pelo apresentador durante o telejornal. Há um sistema que mede a lauda e calcula o tempo. Esse tempo de leitura pode ser diferente de um repórter para outro. Se der um BLACK no ar é problema para o apresentador. Se der um buraco de três segundos ele deve ser preenchido.
A matéria é feita a quatro mãos. O processo de edição do repórter é acompanhado pelo editor que tem autonomia e deve ter argumentos sólidos se pretender dissuadir a opinião do chefe. Deve ver o material exaustivamente para ter certeza do que fala com o editor chefe. Passagem, matéria, link tudo é combinado antes. Para ter link ao vivo o assunto deve ser muito forte.
A ilha de edição é usada para uma matéria por vez. Segundo a produtora os OFFs de outros estados são todos aprovados por São Paulo. Para o trabalho fluir bem é bom que exista afinidade entre os editores de texto e imagem.
A produtora usou alguns exemplos em vídeo para explicar o processo de edição. Em um desses vídeos, o repórter saiu de bicicleta pelas ruas alagadas após as chuvas no Rio de Janeiro. Ele estava com duas câmeras, uma delas no capacete. Ele pediu que o motolink levasse para ele as câmeras que foram emprestadas por um cinegrafista amador. A reportagem foi editada no Rio de Janeiro após as 16 horas. Os VTs são gerados por satélite, a Rede Record possui um canal de satélite próprio enquanto a Rede Globo possui sete canais. A escalada é gravada uma hora antes, e é responsabilidade de um dos editores.
Ela conta que em seus dezoito anos de profissão já trabalhou com rádio, televisão, já fez curso no exterior. A televisão a linguagem deve ser clara, curta, objetiva e didática. Ela diz que sempre gostou de estar atrás das câmeras, gosta fazer acontecer e participar disso. É bom lembrar que você lida com pessoas. Um bom relacionamento facilita o dia a dia. Nós sempre devemos tentar parcerias com editores de imagem e técnicos, áudio e GC- gerador de caracteres.
Entre suas experiências, três anos e meio de trabalho com Paulo Henrique Amorim. Ela disse que ao ficar nervoso ele tirava o paletó e atribuiu a ele duas frases de coisas que ela aprendeu sobre a importância das imagens e como o tempo é curto para as notícias: “Se estamos falando de um cachorro temos que mostrá-lo”, e “Sonora acima de 16 segundos só se for do Papa”.
Sobre a cobertura do julgamento do casal Nardoni no Caso Isabela, a produtora falou da dificuldade de uma cobertura de uma semana, como falar todo dia sobre o mesmo assunto sem ser repetitivo? Como oferecer diferenciais para o jornal que entraria no ar? Ela assistia e fazia decupagem na própria câmera localizando o TC time code de determinadas cenas que ela considerava que mereciam destaque. Ela mandava para pelo motoqueiro o material pré-editado, escrevia texto na lauda do jornal.
Ainda sobre o caso Nardoni o programa matinal “Hoje em dia” teve um recorde na audiência no sábado, após o último dia de uma semana de julgamento e o veredicto da condenação do casal Nardoni. O programa levou psicólogo e terapeuta da família Nardoni. A Rede Globo tentou interceptar esses profissionais. O terapeuta apesar da dificuldade conseguiu convencer Ana Carolina Oliveira, mãe de Isabela, a falar no ar. Quatro carros da Rede Globo ficaram aguardando na porta da Record.
Questionada sobre o melhor caminho para entrar na redação. A produtora da Record diz que temos que tentar de tudo, porque coisas acontecem o tempo todo. Insistir, ver se quero seguir adiante? Até que ponto? Tentar uma ou dez vezes.
Sobre a Rede Record ela afirma que o canal teve uma subida vertiginosa de ibope, estacionou durante um tempo e atualmente está em queda. Sobre os profissionais da rede ela diz que os que vieram da Rede Globo ganham mais. Alguns ganham merchandising como Brito Junior. Ana Paula Padrão saiu do SBT e entrou na Record com um salário menor que o anterior.
Na comparação da Rede Record com outros canais ela diz que planejamento é tudo. A Rege Globo planeja três anos antes a transferência de um correspondente internacional. A Globo não cobre um assunto o dia inteiro. Ela não vai tirar um programa como a Malhação do ar para por outra coisa. Na Record a cobertura do acidente na obra da linha amarela do Metrô em 2007 durou doze horas seguidas no ar. Ela diz que jornalista não recebe hora extra e negocia folgas. Mas quando acontece algo você quer participar, não quer ficar de fora da cobertura dos acidentes. No acidente que o avião da TAM caiu no prédio da TAM Express em Congonhas, também em 2007, ela virou a noite no estúdio.
Questiona sobre a relação entre repórteres e editores. A produtora exemplificou que o jornalista Dorneles tem um texto ótimo e mesmo assim ele pergunta o que os editores pensam sobre o texto. Porém ele não é muito bom para link ao vivo. Dornelles é repórter especial, tem uma vasta experiência que faz com que suas sugestões sejam sempre avaliadas. Para ela, a diferença é o conteúdo dos repórteres mais experientes e menos experientes. “Chefe só escolhe quem tem potencial de dar conta do recado”, finaliza a produtora.

Acorda irmão do filho pródigo: se apodere!

Com certeza você já ouviu a parábola do filho pródigo. Aquele que pegou a parte dele na herança do pai e caiu no mundo para curtir a vida. O filho pródigo gastou tudo e acabou mal, comendo comida dos porcos. Então lembrou que na casa do pai ele tinha tudo do bom e do melhor, decidiu voltar, na esperança de ser ao menos um servo de seu pai. Quando o filho pródigo chegou seu pai o recebeu com festa.
Enquanto isso, o outro filho estava na casa do pai o tempo todo, quando viu o irmão voltar, e ser bem recebido pelo pai, ele foi até o pai reclamar que sempre esteve ali ao lado dele, e nunca mataram um novilho para comemorar.
O pai lhe respondeu: “Meu filho, tu sempre estás comigo; tudo que é meu é teu. Entretanto, era preciso que nos regozijássemos e nos alegrássemos, porque esse teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado”.
Então não seja o irmão do filho pródigo, não espere, e se apodere já do que é seu!

Palestra Marcelo Tas no III Fórum Profissão ao vivo Anhembi Morumbi 28/07/2009


Quem é o agente e o que muda?
Como foi a experiência de cada um na escola? Como a gente aprende?
A minha experiência foi numa sala de aula com professor. Hoje tem salas de aulas com computadores

O que muda?
Atitude diante do professor e do conhecimento
O que muda somos nós

Tive um professor de História do Brasil chamado Eurivani tinha uma letra bonita e ficava meia hora copiando matéria na lousa, depois meia hora lendo o que copiamos.
Fui formado nesse modelo. O professor tinha o único conteúdo que fazia o download e a prova era um teste de memória.

Hoje é bastante inverso, o professor provoca, compartilha. A informação é acessível e há um processamento coletivo eficiente e divertido.

O que muda?

Morava em Ituverava e não tinha TV em casa. A TV há décadas despeja o conteúdo e você só mexe no controle para mudar de canal ou alterar volume. Fui com meu pai comprar uma televisão para ver cobertura da chegada do homem à lua em 1969 tinha 10 anos de idade

O 1ª controle remoto lazy bones (esqueleto preguiçoso).
O que não mudou é que o controle remoto continua na mão do papai.

O eixo da mudança é que hoje o indivíduo vai em busca do conteúdo. Antes você teria que esperar a noite para ver o jornal nacional. Hoje você pode assistir a hora que você quiser na internet não precisa esperar até a noite.

Ana Paula Padrão apresentava o jornal da Globo e dizia: você viu aqui o que os jornais vão publicar amanhã. Alguns jornais parecem um print screen da notícia na internet na noite anterior. Um exemplo foi a eleição do Obama, o resultado saiu por volta das duas horas da manhã. Os jornais que foram impressos antes não confirmaram a vitória.

Mudanças profundas no consumo da informação
Ontem: rádio, TV, telefone, toca disco, toca fita, jornal
Hoje: internet, games, celular, MSN, MP3, comunidades
Hoje há interatividade, acesso popular de massa à tecnologia
Quase todo mundo tem celular com dispositivos de imagem, texto, vídeo
How much information? http://www.giic.ucsd.edu


1- Interatividade
2- Quantidade
3- Velocidade
4- Mobilidade


Arquivo – gaveta X

Google 20 petabytes por dia
20 petabytes= dívida externa do Brasil
1 petabyte = 1 milhão de MB dia
Igual a cada habitante do planeta fazer o download de 1 música por dia = 3 MB

Google velocidade

Eu fazia Engenharia civil, ia ser piloto de caça. Virei editor de jornal anarquista da Poli
Em dois anos já era multimídia, fugia para ECA à noite para cursar comunicação na época podia fazer duas faculdades públicas ao mesmo tempo.
Depois de trabalhar em 80 na área de comunicação em 1988 ganhei bolsa na New York University, um local importante na área de cinema e comunicação. Quase no fim da bolsa estava no elevador que parou num andar que não era o que eu deveria descer. Esse andar estava vazio e tinha umas caixas de papelão, desci para ver essas caixas com um símbolo de uma maça mordida, foi perguntar o que era e me responderam que era um computador Macintosh, na época eles eram restritos não existia PC (Personal Computer). Pedi prorrogação da bolsa e fui um dos primeiros alunos do curso de mídias interativas. Naveguei em chat com a universidade da Califórnia. Quando voltei para o Brasil não tinha com quem falar como aquela piada que você está na ilha deserta com a Sharon Stone e não tem para quem se gabar.

Tinha amigo nerd na Poli que trabalhava num banco. Fui almoçar com ele e o chefe dele e contei que dali a dez anos todos estariam ligados, conectados na rede, trocando vídeos, fotos, WWW teia de alcance mundial. O chefe do meu amigo disse para ele nunca mais convidá-lo para almoçar com “amigos maconheiros” se não ele seria demitido. Isso tudo aconteceu há 20 anos. O chefe tinha dificuldade de ouvir e aceitar mudanças.

2 nerds importantes:

1º Nerd- Alec H Reeves – 1938 – PCM código de barras – Inventou a pirataria!!!!

Comparação como copiar VHS e como copiar CD. Onda elétrica impressa na fita VHS analógica o som e a imagem são ondas elétricas que eram copiadas e faziam a fita mudar de cor a cada cópia. Até que um mecânico fatiou as ondas elétricas para cada ponto em zeros e um.Enquanto as cópias de VHS iam mudando de cor a cada cópia, as cópias de um CD ficam exatamente iguais

Que invenção mais acelerou o conhecimento humano?Roda? eletricidade? livro? números? computador?
Foi a publicação do conhecimento por meio dos livros que mais acelerou o conhecimento humano.

Gutemberg publicou o que era restrito, mas esqueceu de numerar as páginas dos livros. Com os números nas páginas pela primeira vez olhamos para a mesma tela, fizemos interações entre corações e cérebros p a mesma página. Hoje há o twitter, lugar onde trocamos páginas numeradas com outras pessoas diariamente.

2º Nerd- Arthur Clarke – Inventor escreveu um conto que deu origem ao filme 2001 uma odisséia no espaço. Em 1945 escreveu um artigo "Can Rocket Stations Give Worldwide Radio Coverage?", na revista Wireless World que inspirou nascimento dos satélites. Hoje há cerca de 12 mil objetos segundo a agência espacial européia

Palestra: O secretário como Cogestor – Prof.ª Marlene de Oliveira

 Agregar valor aos processos de trabalho, não executar apenas o que lhe pedem.
 Estar disposta a colaborar, dividir responsabilidade.
 Aumente sua bagagem cultural
 Maximize a eficiência do trabalho com foco personalizado na necessidade do cliente
 Se não mudou nada com a sua chegada você não está trabalhando direito
 Trabalhe de forma criativa e flexível
 Gerencie seu tempo e o do executivo
 Administre o fluxo de informação, organize sistema de dados
 Se antecipe leve um problema com três sugestões de solução
 TBC – Tire a bunda da cadeira
 Vá atrás de informações, seja pro ativa, criativa, comprometida, ética
 Reflita a imagem do ambiente e se interesse pela área de atuação da empresa
 Hoje profissional pensa em qualidade de vida além do salário e benefícios
 O que você faz a mais fica a seu favor. O que você faz a menos fica contra você.
 Faça o serviço que você odeia primeiro.
 Nunca diga: me esqueci, não tenho tempo, vou deixar para depois (procrastinação)

Reflexões sobre cenas do filme “O diabo veste Prada”

A executiva da Vogue mal humorada pode ser assim por ter sido mal assessorada anteriormente. A personagem não se interessava pela atuação da empresa e não refletia a imagem da empresa (Vogue – moda) Veja como o executivo se veste. Se interesse pela sua área de atuação. Não leve broncas para o lado pessoal, a repreensão é com sua atitude e não com você. Fazer o trabalho bem feito é sua obrigação, você não vai ganhar nenhuma estrelinha a mais por isso. A personagem passou a refletir a imagem da empresa. Fez a cópia do livro e deixou na mesa da chefe, quando questionada por ela de que forma as gêmeas dividiriam aquela cópia, a personagem revela que aquela era uma cópia a mais para arquivo e que as gêmeas já estavam lendo cópias encadernadas no trem a caminho da casa da avó delas.

sábado, 1 de janeiro de 2011

Resenha filme: "A montanha dos sete abutres"

O filme A Montanha dos Sete Abutres mostra a interferência do jornalista Charles Tatun no salvamento do mineiro Leo Minosa, preso em ruínas indígenas de 450 anos.
O jornalista prevê uma grande oportunidade de contar uma boa história, e quem sabe até ganhar um prêmio Pulitzer, ele diz: "Más notícias vendem mais. Boas notícias não são notícias”.
Assim Tantun se instala no comércio de Lorraine, esposa de Leo e passa a fazer várias ligações telefônicas, a fim de obter apoio para o “salvamento”.
O local do acidente aos poucos foi recebendo muitas pessoas, chegando ao número de três mil expectadores do espetáculo orquestrado por Charles Tantun.
No início não se pagava entrada para entrar no parque. A esposa de Leo começou a cobrar 25
centavos, depois 50, e por fim cobravam um dólar. Foi criado um fundo para o salvamento de Leo Minosa. Uma banda tocava uma música escrita para Leo e cópias da letra da música eram vendidas.
Tantun manipula todos ao seu redor, principalmente o Xerife, Gus Kretzer a quem pede exclusividade de acesso na caverna, já que é a “história dele”, em troca reforça a imagem do xerife no jornal para ajudar a reelegê-lo.
Al Federber foi uma das primeiras pessoas a chegar ao parque, junto com sua esposa e seus dois filhos. Ao ser entrevistado por uma rádio, ele não perdeu a oportunidade de falar que trabalhava com seguros, tentando promover sua empresa, enquanto o foco da entrevista deveria ser o acidente de Leo Minosa.
A pessoa mais manipulada é a esposa de Leo, inicialmente tentada a fugir, Lorraine fica e passa a lucrar com a movimentação em seu estabelecimento. Ela tenta seduzir Tantun, e ele pede que ela seja apenas uma esposa desesperada como ele descreve nos jornais.
Tantun pergunta ao Dr. Hilton, se Leo agüentaria uma semana. O médico diz que sim.
Smollett, chefe da equipe de salvamento propõe salvar Leo entre 12 a 16 horas reforçando as paredes da caverna e entrando pela parte superior. Tantun e o Xerife o impedem, e o ameaçam perguntando se ele quer voltar a ser motorista. Smollett aceita, mesmo a contragosto, a fazer o trabalho levar sete dias para ser concluído.
Ao se dar conta da precariedade da saúde de Leo, que está com pneumonia, diagnosticada pelo Dr. Hilton. O jornalista tenta voltar atrás, porém o senhor Smollett diz que devido ao uso da escavadeira não poderia mais reforçar as paredes da caverna e tentar o resgate da forma que era mais rápida, pois o risco de desabamento era muito maior.
Leo Minosa morre faltando poucos metros para ser resgatado no dia que completava cinco anos de casamento. As pessoas começam a deixar o local e a vida volta ao normal em Escudero.
Tantun diz: “Eu não faço com que as coisas aconteçam, apenas escrevo sobre elas”. Porém o que ele mais fez foi mudar o rumos dos acontecimentos, além de escrever sobre os mesmos.
O filme mostra as últimas conseqüências de extrapolar os limites entre informação e manipulação.
Em 2010 o acidente no Chile que soterrou 33 mineiros há 700 metros de profundidade por dois meses, poderia ter um desfecho parecido. Inicialmente se dizia que o resgate seria feito apenas no natal, mas o resgate ocorreu bem antes, em 13 de outubro de 2010, sendo transmitido ao vivo por redes de televisão do mundo todo, com mais de mil jornalistas.
Qualquer semelhança com a ficção pode ser mera realidade!

Resenha filme: "O informante"

O filme mostra a delicada relação entre o jornalista Lowell Bergman, produtor do programa 60 Minutos da rede norte-americana CBS, com o informante, Jeffrey Wigand, ex funcionário da empresa de tabaco Brown & Williamson.
Lowell Bergman recebe um documento da Philip Morris sobre propensão à combustão e decide buscar Jeffrey Wigand por ser um especialista no assunto.
Wigand, cientista despedido da empresa, havia assinado um termo de confidencialidade de informações, em troca de manutenção de benefícios trabalhistas, como seguro-saúde, algo que ele considera importante, por ter esposa e duas filhas, uma delas asmática. Ele é procurado insistentemente pelo jornalista Bergman, que sente que ele deseja falar, e o pressiona a revelar informações. O cientista, dividido entre o interesse público das informações que detém e o bem-estar de sua família, passa a se sentir pressionado pelo poderes da mídia, da indústria tabagista, mas principalmente por sua própria consciência. Por ter trabalhado anteriormente no ramo de saúde, e ter entrado na indústria tabagista para ter um salário melhor, Wigand trocou empresas que valorizavam a pesquisa e o pensamento criativo como valores essenciais, pela cultura de comercialização e vendas da indústria de cigarros.
A informação em questão é a manipulação feita pelas empresas tabagistas para aumentar rapidamente a dependência da nicotina nos fumantes, usando componentes químicos como a amônia, num processo chamado reforço de impacto.
Em julgamento, os sete representantes das empresas de cigarro alegaram desconhecer que a nicotina causasse vício. Essas empresas bancam a impunidade, contratando os maiores e melhores advogados, que sempre vencem.
Ao se colocar como fonte, o cientista, com medo de ser usado e abandonado falido com o problema, questiona se ele é apenas mercadoria para o jornalista, que usa apenas palavras. Este responde que ele é importante e que para as emissoras todos são mercadoria, e que sustenta as palavras com ações.
Mesmo sendo ameaçado de várias formas, Wigand decide falar. Após gravação da entrevista, a CBS, seguindo o princípio de quanto maior a verdade, maior o dano, passa a temer prejuízos financeiros como processos judiciais e corte de publicidade, e decide não exibir a entrevista. Lowell fica dividido entre o desejo de divulgar informações de interesse público, e os interesses comerciais da rede CBS, para a qual trabalha.
A Brown & Williamson percebe que Wigand não cede e passa a atacá-lo. Seus erros como homem, passam a ter um peso muito maior quando ele é detentor de uma informação importante. A veracidade de seu depoimento fica comprometida pelos ataques à sua personalidade, por ele ter uma multa de trânsito, ser acusado de agressão à ex mulher, e até o cancelamento do pagamento de um abridor de latas, que ele dizia ser uma porcaria, foram interpretados como roubo. Todas essas acusações formaram um documento de 500 páginas. Essa ação demonstra claramente como a grande indústria pode influenciar a mídia, que tem o poder tanto de construir quanto o de arruinar e desacreditar. E a imparcialidade jornalística, que deveria ser uma regra, vai para segundo plano, diante de interesses comerciais.
Ao ouvir sobre liberdade de imprensa, Lowell diz que a imprensa é livre para quem é dono dela. Ele se demite logo após a exibição da entrevista de Wigand, por sentir que não poderá assegurar proteção aos próximos informantes.
A indústria tabagista age de forma antiética pensando apenas em lucros, deixando de lado as vidas que se perdem, responsabilizando os usuários, que sofrem por suas manipulações químicas.
Lowell e Wigand demonstram que a ética é uma só, seja na vida pessoal ou no trabalho. E sofrem para conciliá-la entre os ambientes.

Retrospectiva 2010

As águas foram implacáveis. Deslizamentos de terra causaram mais de 50 mortes em Angra dos Reis – RJ. A chuva também destruiu São Luiz do Paraitinga, castigou Alagoas e Pernambuco. No final do ano foi a vez de Minas Gerais e Espírito Santo.
Algo que provocou grande comoção popular foi a prisão de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, condenados pela morte de Isabela Nardoni. O povo comemorou nas ruas com fogos de artifício.
Na política, destaque para mulheres e um palhaço: Dilma Roussef - PT foi eleita primeira mulher presidente do Brasil. E outra mulher, Marina Silva - PV conquistou 20 milhões de votos. O humorista Tiririca com seu bordão "Pior que tá não fica" obteve a segunda maior votação da história, sendo eleito para deputado federal por São Paulo.
No futebol, a Espanha venceu a Copa do Mundo de futebol pela primeira vez. O Brasil foi desclassificado nas quartas de final, perdendo de 2X1 para a Holanda, com ajuda do desequilíbrio do jogador Felipe Melo. Quatro seleções que contavam com torcida do cantor Mick Jagger perderam. O polvo Paul roubou a cena acertando os resultados dos jogos.
O maior resgate da história da mineração: os 33 mineiros do Chile, que sobreviveram dois meses há 700 metros de profundidade. Salvos de uma situação real que lembrava a ficção, a tentativa de resgate de Leo Minosa, no filme "A montanha dos sete abutres".
O terremoto no Haití deixa mais de 220 mil mortos, entre eles Zilda Arns, presidente da Pastoral da Criança. O mundo se emocionou com a garra dos sobreviventes, entre eles um haitiano de 28 anos, resgatado dos escombros com vida, quase um mês depois do terremoto.
Esses foram alguns dos fatos de 2010 que abalaram o Brasil e o mundo.
Ocorreu um erro neste gadget

Which Grey's Anatomy Character Are You?