Contador grátis

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

O machismo no dia a dia nos nossos lares

Maria teve dois filhos Luciana e Lucas, Luciana foi criada ajudando em casa e cuidando do irmão, Lucas foi criado sendo servido pela mãe e pela irmã, Luciana começou a trabalhar cedo e dava todo seu salário para sua mãe, Lucas foi crescendo sem trabalhar, sem fazer nada, nem o próprio prato de comida, que sempre era feito por uma das duas. Recentemente Lucas engravidou a namorada. A mãe e a irmã de Lucas ficaram surpresas com a nóticia, porque para elas, ele é apenas uma criança. A mãe dele pegava tanto no pé da irmã e o deixava pensando que ele sabia se cuidar, ou quem sabe, na cabeça dela tinha aquela sentença:"prendam suas cabritas que meu bode está solto". Afinal se fosse a filha que engravidasse era uma boca a mais dentro de casa, seria um escândalo, mas o filho engravidar alguém não era tão grave assim...
Em outra casa não muito distante Adriana e João são pais de Marta e Pedro, Marta quatro anos mais velha também cuidava do irmão e continuou cuidando mesmo depois dele ter crescido, Pedro sempre podia saber de casa à vontade com seus amigos, enquanto Marta tinha que convencer os pais a deixá-la sair uma semana antes de qualquer festinha...Marta vai casar e está com pena da mãe dela que vai ter que cuidar da casa sozinha já que Pedro nunca fez nada e não seria agora que começaria a fazer... Pedro tem tudo na mão e ainda reclama da vida, não trabalha, largou a escola e fica na rua o dia todo.Marta disse que ao se tornar mãe não criaria seus filhos de um modo diferente por causa do sexo, independentemente de ser homem ou mulher, é um ser humano e deve aprender a se cuidar sozinho, pode ser que um dia ele queria morar sozinho ou viajar pelo mundo, então seria útil que ele soubesse se cuidar e seria útil para ela que o filho pudesse ajudá-la com as tarefas, se tiver mais de um filho dividiria as tarefas por igual e conversaria de sexo , gravidez, prevenção de doenças, escola, trabalho, tudo com os dois.Hoje ela e sua mãe se sentem culpadas em terem protegido tanto o Pedro...
Essas historinhas podem estar acontecendo nesse exato momento com algum conhecido seu... as pessoas reclamam do machismo e o alimentam diariamente na educação dentro de seus lares...

3 comentários:

Leonardo Ferreira disse...

Aline, ficou muito bom o texto!

O machismo realmente é algo que existe nos lares de todos nós e foi imposto por nossa sociedade e dificilmente sairá de nossas cabeças.

Parabéns! Excelente texto.

Marcelo Mendes disse...

Olá Aline.

Realmente é um texto legal, mas não se pode generalizar.

Não quero ser exemplo, mas vivo algo bem semelhante.

Fui filho único até os 13 depois disto veio meu irmão e me "destronou".

Meus pais se separaram quando eu tinha +ou- 7 anos, foi complicado, mas a separação contribuiu para que eu fosse ainda mais mimado pelas famílias.

A +ou- uns 6, 7 anos (percebesse que não sou muito bom de memória), minha mãe convidou uma prima para ajudá-la nas tarefas da casa e a cuidar do meu irmão (tomador de "tronos"), nisso já tinha tudo na mão, mas apartir daí as coisas ficaram ainda melhor, as duas cuidam do meu irmão e cuidam também das minhas coisas.

Essa minha prima é como uma irmã, aquela irmã que cuida da casa e da família.

Não tenho do que reclamar das minhas cuidadoras, mas...

Mesmo com todo este "mimo" não me tornei machista, preguiçoso ou algo do gênero. Apenas tive algo a mais que outros não tiveram a opurtunidade de ter.

Acredito que essa foi uma excelente formação para mim.

E a a minha prima/irmã não se queixa por isso.

Um Abraço.

Aline Kátia Melo disse...

Resposta ao Marcelo
Sim, usei situações extremas porque o extremo, o excesso mexe com as pessoas, incomoda, provoca questionamento e quando alguém responde como você mostra que o questionamento gerou respostas, discussões, reflexões e esse é um dos objetivos para estimular os outros lados e mostrar a grandeza da situação...

Ocorreu um erro neste gadget

Which Grey's Anatomy Character Are You?